terça-feira, 5 de março de 2013

How to/ Como

How to/Como  e o  Lixo Electrónico 

O que faríamos hoje sem a ajuda do nosso precioso e grande amigo Google? Pouca coisa. Aliás, quando por algum motivo ficamos sem serviço de internet sentimo-nos despidos, como que, daquela peça de roupa preferida; aquela que, pode estar já bastante usada, debotada e coçada mas achamos que nos assenta bem que nem uma luva.

Perguntamos ao Google de tudo, e quase, por tudo e por nada. O facto, é que encontramos respostas também para quase tudo, o que pode ser excelente não fosse a fiabilidade das mesmas, algo, muitas vezes duvidosa.

Recentemente num trabalho no âmbito da pesquisa de duplicação de dados em várias áreas, abismei-me ao dar-me conta da quantidade de informação duplicada, triplicada e mais além, assim como a incorreção de muitas dessas entradas.

A Google, através da Metaweb que comprou em 2010 para melhoria em pesquisas mais complicadas e avançadas, já contractou pessoal extra para identificar dados duplicados ou não correctos em vários agregadores de informação tais como a Wikipedia, a IMDB e a Freebase, sendo que, pelo menos nestas áreas será possível a médio prazo haver alguma melhoria na informação encontrada.

A nível de outras áreas tais como, por exemplo, a procura de “ como ganhar dinheiro/how to make money” a informação fornecida é gigantesca, e infelizmente em grande parte, corresponde a spam, scam ou simplesmente publicidade enganosa, o que nem por isso não deixe de proliferar como cogumelos, ao que eu apelido de “lixo eletrónico”.

How to/Como  e o  Lixo Electrónico 
Existem tutorias de tudo e para tudo. A nova moda é mesmo os que existem no Youtube  chamados “unboxing”.  Alguns são mesmo muito úteis.  

Colocam-se grandes questões e dúvidas sobre a fiabilidade da informação que encontramos numa qualquer pesquisa efectuada no Google ou qualquer outro motor de busca.

Reina o chamado “rewriting” por alguém que se apelida de “ghostwriter” muitas vezes sem qualquer conhecimento técnico do que escreve, e como ficamos sem saber quem é o autor, acabamos também sem saber em que, ou quem, confiar.


Por tudo isto, creio que não só é necessário saber fazer a pergunta ao nosso amigo Google como também ter alguma experiência de pesquisa e conhecimentos vastos para que a mesma seja verdadeiramente útil.

Enquanto não houver alguém que faça uma boa limpeza ao “lixo eletrónico” que prolifera por este mundo cibernauta, os “How to” e os “Como” têm de se acompanhar de um bom discernimento, senão corre o risco de em vez de informado fica muito enganado.

Gina
5.3.2013