sexta-feira, 29 de março de 2013

Estilos de Escrita, Ghost Writing vs. Autenticidade e Autoria

Estilos de Escrita, Ghost Writing vs. Autenticidade e Autoria
E o Novo Acordo Ortográfico

Esta coisa da escrita tem muito que lhe diga.

Eu que gosto muito de fazer as coisas à minha maneira, uma irreverência minha, ninguém é perfeito (!...); não aderi e não vou aderir ao novo acordo ortográfico.

Não, não sou anarquista, simplesmente tenho uma cabecinha pensadora que consegue discernir o que é útil e o que é disparate. Nesta idade não vou certamente gastar os neurónios em disparates, tenho coisas bem mais interessantes para aprender e fazer.

No caso do novo acordo ortográfico, é um autêntico disparate que não serve para mais nada senão gastar-se dinheiro, que poucos poderão ter em abundância para fazer alterações em tudo que envolve escrita em língua portuguesa. Só por curiosidade gostaria de saber esses números…mas enfim é mais uma daquelas coisas que me irritam sem que nada possa fazer.

Posso, no entanto, dizer que se em 2015 for obrigatório, passo a escrever noutra língua ou então como diz a canção “Chamem a Polícia” porque eu não vou alterar nadinha.

Mas enfim, pensei escrever sobre a escrita não propriamente sobre o acordo ortográfico mas sim sobre estilos, autenticidade e autoria.

Na área da escrita em regime de freelancing fui “aliciada” para escrever como “Ghost Writer”, que em português é algo como "Escritor Fantasma", e estou assim como que entre as dez e as onze.

Para já, não gosto nada do nome que lhe dão, cá para mim os fantasmas devem ser deixados em paz e sossego e tenho-lhes muito respeito, por isso não me apetece escrever em nome de nenhum.

Depois, e aqui vem de novo a irreverência; ora se estou a escrever em nome de outra pessoa vou ter de seguir as suas regras que serão certamente diferentes das minhas. Para mim a escrita tem impressões digitais.

Gosto muito da minha escrita criativa e sem-cerimónias, a não ser que esteja a escrever uma carta ou um documento específico que assim o exija, pelo menos nesta área sinto que sou eu que mando com as minhas autênticas impressões digitais.

Por fim, mesmo que escreva muito disparate, assino-o sempre, no entanto se for o tal “escritor fantasma” de alguém, tenho de me remeter ao esconderijo dos escritores fantasmas, a menos que o façam num Resort nas Ilhas Fidji, em que eu possa estar a escrever com os pezinhos de molho em águas cálidas e cristalinas, sentada no rebordo da varanda da minha cabana privada, acho que não, acho que não vou aceitar.  

Ainda vou pensar, mas cada um tem as suas condições, hum…não sei não, mas as Ilhas Fidji até sabiam bem para contrastar a chuva que persiste e insiste neste nosso rectângulo à beira–mar muito frio.

Gina
29.4.2013